fosso entre ricos e pobres diminuiu





"Entre 1995 e 2013, mais de metade de todos os empregos criados nos países da OCDE eram de uma destas categorias. Os trabalhadores pouco qualificados com contratos temporários, em particular, têm rendimentos muito mais baixos e mais instáveis que os trabalhadores permanentes", adianta o estudo.




"Atingimos um ponto crítico. As desigualdades nos países da OCDE nunca foram tão altas desde que há dados", disse o secretário-geral da OCDE, Angel Gurría, durante o lançamento do relatório.

"Os dados mostram que as fortes desigualdades prejudicam o crescimento. A ação política deveria ser motivada tanto por razões económicas como por razões sociais. Ao não atacarem o problema da desigualdade, os governos enfraquecem o tecido social e comprometem o crescimento económico a longo prazo", acrescentou.