A taxa de desemprego portuguesa descerá para os 6,5% no próximo ano, segundo as previsões do Orçamento do Estado entregue esta segunda-feira pelo ministro das Finanças, e que prevê as despesas para 2022. O Governo destaca que este será "o valor mais baixo desde 2003".

A taxa de desemprego em 2022 deverá descer para 6,5%, atingindo o valor mais baixo desde 2003", pode ler-se no documento.

Estes são valores que vão levar Portugal de volta a valores verificados antes da pandemia de covid-19, que perturbou o funcionamento de grande parte da Economia. O emprego cresce 1,8% e 0,8% em 2021 e 2022, respetivamente. Dessa forma, a taxa de desemprego deve descer para 6,8% já este ano, baixando depois para 6,5%.

Em 2020, primeiro ano marcado pela pandemia de covid-19, a taxa de desemprego em Portugal foi de 7%.

Desta forma, prevê o Governo gastar menos 108,8 milhões de euros em subsídios de desemprego pagos em 2022. O valor total pago em 2021 será de 1 651,7 euros, número que deverá cair para 1 542,9 euros em 2022.

Na proposta de Orçamento do Estado para 2022 é ressalvada a importância do combate ao desemprego na melhoria das condições para o aumento da natalidade.

Tendo em vista esse e outros objetivos, o Governo quer "promover um mercado de trabalho digno e promover a valorização do trabalho".

Os dados do desemprego para 2022 já tinham sido adiantados pelo Governo aos partidos em reuniões tidas na quarta-feira na Assembleia da República.

Das restantes entidades que fazem projeções relativas à economia portuguesa, a mais otimista para este ano é o Banco de Portugal, que espera uma taxa de 6,8%, tal como o Governo.

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) aponta a uma taxa de 7,3% e a OCDE de 7,4%, e a entidade mais pessimista é o Fundo Monetário Internacional (FMI), que em abril apontou para 7,7%.

Quanto a 2022, o CFP apontou, em setembro, para uma taxa de desemprego de 6,9%, a OCDE (maio) para 7,0% e o FMI (abril) para 7,3%.

No documento, o executivo estima que o défice das contas públicas nacionais deverá ficar nos 4,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 e descer para os 3,2% em 2022.

A dívida pública deverá atingir os 122,8% do PIB em 2022, face à estimativa de 126,9% para este ano.

O primeiro processo de debate parlamentar do OE2022 decorre entre 22 e 27 de outubro, dia em que será feita a votação, na generalidade. A votação final global está agendada para 25 de novembro, na Assembleia da República, em Lisboa.

O ministro das Finanças, João Leão, apresenta a proposta orçamental hoje, às 09:00, em conferência de imprensa, em Lisboa.

António Guimarães