O número de clientes de pacotes de comunicações eletrónicas atingiu no primeiro semestre 3,8 milhões, mais 5,2% do que no período homólogo, crescimento que se deve à subida nas ofertas com quatro ou mais serviços, foi hoje anunciado.

A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) divulgou hoje, em comunicado, que “no final do primeiro semestre de 2018 o número de subscritores de pacotes de serviços de comunicações eletrónicas atingiu 3,8 milhões, mais 5,2% face ao semestre homólogo, o que se traduziu num aumento de 189 mil subscritores”.

O regulador justifica que “o crescimento verificado deve-se sobretudo às ofertas com quatro ou cinco serviços” - incluindo telefone fixo, banda larga fixa, televisão paga, telemóvel e internet móvel -, área na qual o número de clientes subiu 7,3%, em mais 117 mil subscritores.

Estes são, inclusive, os pacotes mais utilizados, representando 45,3% do total de subscritores, de acordo com a Anacom.

Para o acréscimo total contribuiu também a subida nos clientes com três serviços - telefone e internet fixos e televisão paga -, que subiu 6,3%, o equivalente a mais 93 mil subscritores.

Estes subscritores equivalem a 41,7% do total.

Em sentido inverso, o número de clientes com dois serviços baixou 4,1%, ou menos 21 mil clientes.

Ao todo, as receitas com os serviços de pacote ascenderam, no primeiro semestre deste ano, a 786 milhões de euros, numa receita mensal média de 34,62 euros por subscritor de pacote, valor que inclui clientes residenciais e não residenciais.

Relativamente às operadoras com maior número de clientes de serviços de pacote, a maior fatia correspondia, no final de junho, à Meo (40,5%), que liderava em todos os tipos de oferta, seguindo-se a NOS (37,7%), a Vodafone (17,3%) e o grupo Apax, dono da Cabovisão e da Oni (4,5%).