O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) admitiu esta quarta-feira novas paralisações na transportadora aérea SATA se as revindicações não forem atendidas na sequência da greve marcada para quinta e sexta-feira.

É evidente que admitimos uma nova greve, a nossa própria moção refere isso. A SATA não está a cumprir a Lei e o acordo de empresa”, declarou Bruno Fialho aos jornalistas, na sequência de um encontro com deputados do PSD no parlamento regional, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel.

O dirigente afirmou que a proposta formalizada esta quarta-feira pelo conselho de administração do grupo SATA, após a reunião na terça-feira entre elementos da empresa e sindicato, “continua a não preencher minimamente o que se exige”, quer para os trabalhadores quer para a companhia.

Ou existem compensações ou têm que cumprir integralmente todo o acordo de empresa. Não podem é querer ficar a meio do caminho, o que é impossível. Melhores condições de trabalho é o mais importante e a empresa nem isso quer dar”, declarou o sindicalista.

Bruno Fialho referiu que o SNPVAC continua disponível para dialogar ainda esta quarta-feira ou durante o período de greve e defendeu “maior proatividade” da administração da SATA, que deve ser materializada através da realização de mais reuniões.

No final do encontro com os parlamentares do PSD, Luís Maurício apelou a um entendimento entre as partes para que “não se radicalizem posições” e se possa ultrapassar esta “situação incómoda para todos, mas sobretudo para os açorianos”.

Luís Maurício referiu que a greve é “preocupante para uma empresa que está numa situação financeira difícil” e que “decorre de uma gestão errática ao longo dos anos”.

O deputado social-democrata referiu que a preocupação do PSD se estende à desmotivação dos trabalhadores face à situação da SATA, realçou que a greve penaliza a mobilidade dos açorianos, assinalando ainda que a "instabilidade da empresa" é um “fator perturbador da sua tranquilidade”.

Tripulantes de cabine da transportadora aérea SATA estão na quinta e na sexta-feira em greve, convocada pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil, precisamente um mês depois de uma outra paralisação.

A 21 de abril, o sindicato, que já tinha marcado greve para 01 e 02 de maio, que cumpriu, estendeu a paralisação para 01 e 02 de junho.