O antigo ministro da Solidariedade, Trabalho e da Segurança Social Pedro Mota Soares assumiu a liderança da Associação dos Operadores de Comunicações Eletrónicas (Apritel) para o triénio 2019-2022, anunciou hoje aquela associação.

O ex-deputado do CDS fez parte da Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas nesta legislatura, tendo participado nas audições da Anacom, o regulador do setor, e nas alterações à Lei das Comunicações Eletrónicas.

Assumo este cargo com grande entusiasmo, dedicação e sentido de compromisso, com o objetivo de contribuir para destacar a importância social e económica do setor das comunicações eletrónicas em Portugal”, refere Pedro Mota Soares, num comunicado enviado às redações.

O ex-deputado do CDS-PP considera ainda que “as comunicações eletrónicas vão ser a chave para a economia e a sociedade do futuro e, por isso, é fundamental reforçar o diálogo com todos os ‘stakeholders’ [atores] do setor e elevar a associação ao patamar de interlocutor indispensável em todas as matérias relativas às comunicações eletrónicas”.

Pedro Mota Soares, 45 anos, é advogado e assistente universitário. Foi deputado em cinco legislaturas e, entre os vários cargos políticos que exerceu, destaca-se o de ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, entre 2011 e 2015, no Governo liderado por Passos Coelho, e o de presidente do grupo parlamentar do CDS-PP.

Depois de não ter sido eleito eurodeputado pela lista do CDS nas eleições europeias de maio, Mota Soares ficou fora das listas de candidatos a deputados nas legislativas de 06 de outubro.

De acordo com os dados da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), citados pela Apritel, o setor das comunicações eletrónicas em Portugal representa 2,3% do PIB e emprega cerca de 18.000 pessoas.