O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou esta sexta-feira que as exportações portuguesas cresceram 7,4 por cento em 2011, mas este ritmo de crescimento estava a abrandar no final do ano.

O INE divulgou os dados das contas nacionais para o último trimestre do ano passado, segundo os quais o PIB de Portugal diminuiu 1,6 por cento em 2011.

A procura externa líquida (exportações menos importações) deu um «forte contributo positivo para a variação do PIB» em 2011 - ou seja, a recessão teria sido ainda mais grave se não fosse pelo comportamento do comércio internacional.

Enquanto as exportações cresceram 7,4 por cento (um valor elevado mas mesmo assim inferior aos 8,8 por cento do ano anterior), as importações sofreram uma forte redução de 5,5 por cento.

Contudo, o ritmo de evolução não foi uniforme ao longo de 2011. As exportações chegaram ao fim do ano em desaceleração, registando uma taxa de crescimento homóloga (relativa ao mesmo trimestre do ano anterior) de 5,8 por cento no último trimestre de 2011.

Quanto às importações, no último trimestre do ano a quebra foi ainda mais dramática: uma redução de 13,5 por cento, determinada pela queda de 15,7 por cento na importação de bens (nos serviços, houve uma ligeira subida de 0,2 por cento).
Redação / JF