O Produto Interno Bruto (PIB) de França caiu 5,3% no primeiro trimestre do ano, menos que os 5,8% que tinha sido anunciado em abril, informou hoje o gabinete de estatísticas francês (Insee).

Com esta queda, França iguala o pior dado histórico desde que há registo, do segundo semestre de 1968, na altura da revolta estudantil de maio de 1968.

A justificação para a revisão de meio ponto percentual, de acordo com o Insee, prende-se pela alteração de certas estimativas e extrapolações feitas no mês de março muito afetadas pelas medidas de confinamento.

O gabinete de estatísticas também atribui esta alteração ao facto de as revisões dos números do primeiro trimestre serem geralmente maiores do que nos outros períodos do ano devido à necessidade de ajustar os dados trimestrais com as contas anuais de anos anteriores.

A queda anunciada hoje confirma, em qualquer caso, a recessão técnica de França, após a queda do PIB em 0,1% no último trimestre de 2019, refere a agência EFE.

A taxa de poupança das famílias, por sua vez, cresceu para 19,6%, contra 15,1% no trimestre anterior.

As últimas estimativas do Insee, divulgadas há dois dias, sugerem que a economia francesa cairá cerca de 20% no segundo trimestre, e que em todo o ano a queda do PIB será de, pelo menos, 8%.

Isso significa que, de acordo com essas estimativas, França sofrerá a recessão mais profunda desde que iniciou a série estatística de contas nacionais, que começou em 1948.

Veja também: Pandemia faz economia cair 2,3% no primeiro trimestre

Economia italiana contrai-se 5,3% no 1º trimestre

A economia italiana caiu 5,3% no primeiro trimestre de 2020 face ao último trimestre de 2019, excedendo em muito a estimativa de 4,7% feita inicialmente pelo instituto nacional de estatística italiano (Istat), anunciou hoje o Istat.

O Istat divulgou hoje dados oficiais que confirmam que o país entrou em recessão e a queda de 5,4% no Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre do ano em comparação com o mesmo período de 2019.

Esta queda acentuada não era registada desde o primeiro trimestre de 1995, acrescentou o instituto.

Com os dados conhecidos hoje, que refletem o impacto da pandemia da covid-19, confirma-se o que já tina sido antecipado em abril e que o país entra em recessão técnica, uma vez que o PIB se contraiu 0,3% no último trimestre de 2019.

Esta é a maior queda histórica registada desde que o Istat começou a recolher dados desta série no primeiro trimestre de 1995 e o instituto reconhece que resultou em grande parte do impacto económico da pandemia da covid-19, que surgiu no país em 21 de setembro.

Segundo os cálculos do Istat, se não houver mudanças, a economia italiana cairá 5,5% em 2020.

Em relação ao trimestre anterior, todos os principais agregados da procura doméstica estão a contrair-se, com uma queda de 5,1% no consumo e 8,1% no investimento fixo bruto, enquanto as importações e exportações caíram 6,2% e 8%, respetivamente.

 
/ Publicada por ALM