As empresas consideram que o maior obstáculo à competitividade é o sistema fiscal português que está sempre a mudar, levando muitas a pensarem em deslocalizar-se, afirmou hoje à Lusa o partner da consultora Deloitte, Miguel Leónidas Rocha.

De acordo com o especialista, o facto de o sistema fiscal «estar sempre a mudar e não haver uma estratégia em relação àquilo que Portugal quer ser», constitui o maior obstáculo à competitividade das empresas.

A Deloitte elabora anualmente o Observatório da Competitividade Fiscal, um estudo em que questiona 1.000 empresas sobre aspectos específicos do Orçamento do Estado, além de diversas matérias com interesse para as mesmas.

«A Holanda é um país em que o sistema fiscal é estável, privilegiando o comércio internacional e a localização de holding. O Luxemburgo escolheu captar activos e fundos de investimento. A estratégia em Portugal num dia é para um lado e no outro dia é para outro», garantiu o especialista, lamentando que esta situação leva a que «muitas empresas» pensem em deslocalizar-se e colocar as holdings noutros países.

Processos em Portugal são muito demorados

Por outro lado, os empresários queixam-se que em Portugal «não há um regime de justiça tributário» e a morosidade nos processos é muita.

«Antes de se fazer uma operação, uma empresa deveria ter conhecimento do regime fiscal que vai ser aplicado desde o princípio até ao fim da transacção, o que não acontece», lamentou o consultor.

Segundo Leónidas Rocha, existem pedidos de informação prévia vinculativos, mas na prática «a informação não funciona».

«As autoridades fiscais não respondem a tempo e horas, refugiam-se em coisas mais genéricas e não estamos livres de que depois seja alterado», salientou.
Redação / LF