O Católica Lisbon Forecasting Lab - NECEP, da Universidade Católica de Lisboa, salientou esta sexta-feira que o PIB do terceiro trimestre deste ano atingiu 93,7% do nível registado no quarto trimestre de 2019, o último antes da pandemia de covid-19.

O INE reviu, esta sexta-feira,  em alta a estimativa de evolução do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre, melhorando a anterior previsão em uma décima, para uma contração homóloga de 5,7% e uma recuperação de 13,3% em cadeia.

No terceiro trimestre de 2020, o PIB em termos reais registou uma redução homóloga de 5,7%, após a forte contração de 16,4% no trimestre anterior”, pode ler-se na segunda estimativa rápida divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que atualiza a feita no dia 30 de outubro.

Já face ao segundo trimestre, “o PIB aumentou 13,3% em termos reais, depois da forte contração observada no trimestre anterior (variação em cadeia de -13,9%)”, acrescenta.

Segundo o núcleo da Católica de Lisboa, confirma-se "o ressalto, grande, mas parcial, da economia portuguesa durante os meses de julho a setembro".

As exportações ficaram a 81,7% do nível do 4.º trimestre de 2019. Desta forma, a forte recuperação de 38,8% em cadeia foi insuficiente para evitar uma quebra de 15,2% em termos homólogos, aparentemente motivada pela evolução desfavorável das exportações de serviços, onde se inclui a fileira do turismo", pode ler-se no documento.

Já as importações "atingiram o nível de 87,6% do nível do 4.º trimestre de 2019, recuperando 26,1% em cadeia para uma variação homóloga de -11,6%".

O núcleo de estudos da Católica de Lisboa assinala ainda que "procura interna ficou a 96,4% do nível do 4.º trimestre de 2019 e registou uma perda de 4,1% em termos homólogos, motivada pelo forte ressalto do consumo privado", tendo a variação da procura interna face ao trimestre anterior sido de 10,1%.

O NECEP assinala ainda que "Portugal aparenta ser um dos países mais afetados pela crise económica despoletada pela pandemia e confinamento, notando que a variação homóloga do respetivo PIB no 3.º trimestre (-5,7%) é a mais pronunciada entre parceiros da zona euro com exceção de Espanha (-8,7%)".

Esta estimativa rápida incorpora nova informação primária, nomeadamente no que se refere ao comércio internacional de bens e serviços e, em menor grau, aos indicadores de curto prazo relativos a setembro, que implicaram uma revisão em alta de 0,1 pontos percentuais nas taxas de variação homóloga e em cadeia do PIB em volume do terceiro trimestre de 2020, comparativamente com os dados publicados no dia 30 de outubro na primeira estimativa rápida”, segundo o INE.

/ DA