Dos economistas aos psicólogos, muitos peritos têm vindo a avisar para a forte possibilidade de se instalar um sentimento de loucos anos 20 do século XXI, tal como aconteceu há cem anos, após a grande depressão.

Com o desconfinamento, os especialistas prevêem um super-aumento no consumo e há quem diga que se trata de uma espécie de vingança da inibição imposta pela pandemia.

 E os primeiros sinais já chegaram: os dados do consumo da primeira semana de maio revelam que, em compras e pagamentos em cartão, o consumo já está ao nível dos tempos pré-pandemia. 

Há quase 20 anos que os portugueses não poupavam tanto

A taxa de poupança no último ano subiu, com depósitos nos bancos a atingir máximos históricos: no total, as famílias portuguesas têm no banco quase 165 mil milhões de euros.

Mesmo em contexto da pandemia, os portugueses pouparam 12,8% do rendimento disponível.

O economista Daniel Traça explicou à TVI que , como em todas as crises, os valores não tocam a todos. Esta é uma crise diferente, conjuntural, mas que tem fim à vista:

Vamos ter consumo, vamos ter investimento, e isto vai estimular a economia. Obviamente que, se a acrescentar a isto, tivermos todos um lado de política pública com gastos financiados pelo PRR, temos condições para ter um ano 2022 muito forte", disse o economista.