Casa, saúde e alimentação asfixiam o orçamento das famílias, o que leva a que apenas 20% dos portugueses consigam ter margem para poupar. Esta é a conclusão do primeiro barómetro Deco Proteste.

Ainda assim, há algumas formas que o podem ajudar a pagar menos. Tito Rodigues, da Deco Proteste, explicou cinco situações em que é possível poupar. 

1. Cartão de crédito

Tito Rodrigues explicou que "muitos portugueses têm ainda um cartão de crédito com taxas de juro acima dos 30%", relativos a contratos antes de 2010. "Depois de 2010 temos uma legislação que limitou essas taxas e que são revistas trimestralmente. Hoje estamos a falar de metade desse valor: 15,9%. Faz muita diferença", sublinhou.

2. IMI

Se é certo que em muitos casos o IMI tem aumentado, a Deco alerta que muitos portugueses ainda podem fazer poupanças significativas neste domínio. De resto, a Deco disponibiliza um simulador para este efeito.

Muitos portugueses continuam a não fazer a reavaliação do seu imóvel. (…) Há ainda muitas situações em que a idade do imóvel faz perceber que pode haver poupanças significativas. Em média os que utilizaram o simulador da Deco estão a poupar mais de 70 euros por ano", vincou Tito Rodrigues.

3. Spread de habitaçao

"Mais de 300.000 consumidores portugueses compraram casa durante o período alto da crise quando os spreads estavam na casa dos 4%, 5%. Tendo em conta que os spreads já se encontram perto de 1%, os consumidores devem procurar outras soluções no mercado", explicou o responsável da Deco.

4. Fatura energética

A fatura energética pesa muito no rendimento das famílias. A Deco também disponibiliza simuladores que permitem perceber como pagar menos.

Temos simuladores que permitem saber onde podem poupar. Estamos a falar de um produto homogéneo, a eletricidade é igual independentemente de ser a empresa A, B ou C a entregá-la", vincou Tito Rodrigues.

De resto, o especialista acresentou que muitos portugueses ainda desconhecem que "a forma mais eficaz de aquecer uma habitação é através do ar condicionado".

Com o ar condicionado podemos poupar 230 euros por ano", vincou.

5. PPR’s

A Deco alerta que em 25% dos PPR's "a rentabilidade é nula ou está abaixo de 1%" e que é importante "jogar no cavalo certo".

Apenas 17% dos PPR’s tem uma rentabilidade acima de 3,7%. (...) É importante jogar no cavalo certo. (...) A diferença pode ser entre 0 e 6,7%", concluiu Tito Rodrigues.