A equipa de gestão do Novo Banco, liderada por António Ramalho, recebeu um prémio de quase 1,9 milhões de euros. Note-se que, há cerca de um mês, o banco apresentou prejuízos de 1.329 milhões de euros para o conjunto do ano passado.

Para o ano de 2020, a Remuneração Variável foi atribuída condicionalmente, sujeita a verificação de condições diversas, de 1.860 milhões de euros aos membros do Conselho de Administração Executivo", lê-se no Relatório e Contas de 2020 do banco, enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O documento nota ainda que o prémio "teve como base o desempenho individual e coletivo de cada membro, avaliado pelo Comité de Remunerações".

Apesar da intenção, o prémio, se avançar, só será pago em 2022.

Não existe qualquer certeza quanto ao valor final da remuneração variável ou quando os pagamentos serão efetuados (...) o valor pode ser inferior ao montante atribuído ou mesmo zero, dependendo dos indicadores financeiros do Banco", lê-se no documento.

Em março, o banco divulgou que registou prejuízos de 1.329,3 milhões de euros no ano passado, um agravamento face aos 1.058,8 registados em 2019.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a instituição presidida por António Ramalho realçou "um impacto negativo de 300,2 milhões de euros resultado de avaliações independentes aos fundos de reestruturação".

Nessa altura, o Novo Banco anunciou ainda que fechou o ano de 2020 com menos 287 trabalhadores e 28 agências que em 2019, de acordo com números esta sexta-feira divulgados na apresentação de resultados da instituição.

Lara Ferin