“Apesar do Governo tentar dar este processo como finalizado, é importante lembrar que ainda falta a decisão do Supremo Tribunal Administrativo quando à ação popular e as providências cautelares interpostas bem como o visto obrigatório do Tribunal de Contas e da Comissão Europeia relativamente a este negócio”, lembra a estrutura sindical do grupo TAP.

Redação / DC