Mais de quatro centenas de jovens concentraram-se esta quinta-feira, em Lisboa, reivindicando estabilidade laboral e o aumento dos salários, deixando críticas à política do Governo.

Pelas 15:15, os jovens partiram do Campo Pequeno, em Lisboa, rumo ao Ministério do Trabalho, empunhando faixas e bandeiras da CGTP e da Interjovem, enquanto gritavam palavras de ordem como “Agora e sempre a juventude está presente” ou “Contra a exploração a luta é solução”.

Esta manifestação de jovens trabalhadores, convocada pela Interjovem e pela CGTP, quer por na rua aquilo que é a situação dos jovens do nosso país, uma situação em que são os mais atingidos pela crise epidémica e pelo modelo de baixos salários, precariedade, desregulação dos horários de trabalho, horários longos, que não permitem conciliar a vida profissional e pessoal, desinvestimento nos serviços públicos e de não acesso a uma habitação com um custo comportável”, apontou, em declarações aos jornalistas, a secretária-geral da CGTP.

Isabel Camarinha notou ainda que além do impacto da pandemia, a situação dos jovens trabalhadores foi agravada pela ausência de apoios.

Os jovens estão assim na rua, em Lisboa e no Porto, “para dizerem basta, que é preciso alterar estas opções, mudar este rumo, apostar e investir [...] para que não sejam enviados para a emigração”, notou a líder da intersindical.

/ JGR