O movimento de passageiros nos aeroportos nacionais caiu 79,3% em janeiro face ao mesmo mês de 2020, para 772 mil, tendo aterrado 5,8 mil aeronaves em voos comerciais, menos 62,0%, divulgou hoje o INE.

Segundo as estatísticas rápidas do transporte aéreo do Instituto Nacional de Estatística (INE), esta “acentuada redução” traduz um agravamento face às quebras homólogas de 74,7% e de 57,3% registadas em dezembro no transporte aéreo de passageiros e na aterragem de aeronaves, respetivamente.

Comparando o número de aeronaves aterradas e o número de passageiros desembarcados diariamente em janeiro de 2021 com o mês homólogo de 2020, ocorreram reduções superiores a 40% no número de aeronaves aterradas e a 60% no número de passageiros desembarcados.

Em janeiro de 2021, o aeroporto de Lisboa movimentou 420 mil passageiros, 54,3% do total, registando uma quebra homóloga de 80,8%.

Considerando os três aeroportos com maior tráfego anual de passageiros – Lisboa, Porto e Faro – o do Algarve registou a maior diminuição do número de passageiros movimentados em janeiro, com uma queda de 85,9%.

No mês em análise, o INE salienta ainda que o aeroporto da Madeira foi o terceiro aeroporto com maior movimento de passageiros (52,6 mil, -76,6%), superando o de Faro.

Considerando o total de passageiros desembarcados nos aeroportos nacionais em janeiro de 2021, cerca de 70% corresponderam a tráfego internacional (82% no período homólogo), sendo a maioria provenientes de aeroportos localizados no continente europeu (52%).

Relativamente aos passageiros embarcados, cerca de 77% estão associados a tráfego internacional (83% no período homólogo), tendo como principal destino aeroportos localizados no continente europeu (63%).

Tendo em conta o volume de passageiros desembarcados e embarcados em voos internacionais em janeiro, França foi o principal país de origem e de destino dos voos, enquanto o Brasil foi o segundo principal país de origem e o quarto de destino e a Suíça foi o terceiro principal país de origem e o segundo de destino.

Espanha evidenciou os maiores decréscimos em ambos os indicadores e ocupou a quinta posição, tendo o Reino Unido deixado de surgir neste conjunto dos principais países de origem e destino.

No primeiro mês do ano, registou-se uma diminuição de 30,2% no movimento de carga e correio nos aeroportos nacionais, que atingiu 12,0 mil toneladas.

o movimento de mercadorias no aeroporto de Lisboa representou 64,8% do total, atingindo 7,8 mil toneladas (-38,7% face ao período homólogo).

No conjunto dos restantes aeroportos, o movimento de mercadorias diminuiu 6,0%.

/ CE