O número de contribuintes que já receberam o seu reembolso de IRS é até esta altura já 15 vezes superior ao balanço do ano passado. Até ao dia 2 de maio, houve acerto de contas favorável a 591.489 declarações. 

No total, e segundo comunicado das Finanças, os reembolsos ascenderam quase a 500 milhões de euros (495 milhões, mais exatamente) neste primeiro mês de entrega de IRS. Este ano, pela primeira vez, e para todos os contribuintes, há um prazo único entre 1 de abril a 31 de maio para submeter as declarações.

O número de contribuintes já reembolsados é cerca de 15 vezes superior ao dia homólogo do ano passado (quando tinham apenas sido reembolsados 38 568 contribuintes)"

Este balanço é possível muito graças ao IRS automático, que "permitiu um aceleramento do processamento das declarações e, nos casos aplicáveis, da transferência do reembolso aos contribuintes", destacam as Finanças. O Governo prometeu devolver o imposto em 15 dias e tem estado a cumprir.

Até agora, já foram entregues 3 milhões de declarações. "um valor ligeiramente abaixo de anos anteriores, explicado pela existência de um prazo único para a entrega", ao contrário do que aconteceu no passado. O IRS automático representa 20% desse total.

Entretanto, o Fisco já processou mais de um milhão de declarações. Para além dos reembolsos, resultaram 72 mil notas de liquidação, de contribuintes que ainda terão de pagar IRS.

Há também a contabilizar 337 mil declarações sem qualquer reembolso ou pagamento. Ou seja, os contribuintes não recebem, mas também não têm de desembolsar mais dinheiro para este imposto, para além daquele que já foram descontando ao longo de 2016.

Veja também: