A AHRESP considerou esta sexta-feira que as novas regras devem ser claras e que os apoios devem chegar rapidamente às empresas, tendo em conta que as restrições ao funcionamento dos setores da restauração e turismo devido à pandemia vão continuar.

Anunciado o plano de desconfinamento e apesar de se aguardar ainda pela sua regulamentação, a AHRESP considera que é, mais do que nunca, urgente que os apoios cheguem rapidamente às empresas, de forma ampla e imediata”, refere a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, no boletim diário

A AHRESP sublinha que as restrições ao funcionamento dos setores da restauração, similares e do alojamento turístico vão continuar e os apoios económicos são essenciais para as empresas do setor.

A associação defendeu também que as regras devem ser “claras, objetivas e transparentes” para que possam ser cumpridas por todos, tanto empresários como consumidores.

Na quinta-feira, o Conselho de Ministros aprovou um plano de reabertura progressiva das atividades, comércio e serviços, passando, a partir de segunda-feira, o setor do comércio e da venda a retalho de produtos não alimentares poder vender ao postigo.

Os estabelecimentos de restauração e bebidas vão passar a poder vender bebidas em take-away.

A AHRESP considera que foi corrigida uma situação injusta que impediu os estabelecimentos de restauração e similares de vender qualquer tipo de bebida, incluindo café, quando podiam ser adquiridos em outros estabelecimentos.

A AHRESP congratula-se ainda com as medidas de apoio às empresas anunciadas na sequência da realização do Conselho de Ministros e que acolhem muitas das propostas apresentadas em diversas reuniões de trabalho com o Governo.

Para este setor, o plano de desafinamento prevê, para 05 de abril, o funcionamento de esplanadas (máximo de quatro pessoas) e, a 19 de abril, os restaurantes cafés e pastelarias podem funcionar com o máximo de quatro pessoas no interior e seis nas esplanadas até às 22:00 e aos fins de semana e feriados até às 13:00

A 3 de maio, os restaurantes, cafés e pastelarias passam a poder ter um máximo de seis pessoas no interior ou 10 em esplanadas sem limite de horários.

/ MJC