O Santander Totta teve lucros de 172,9 milhões de euros no primeiro semestre do ano, uma redução de 37,3% face ao mesmo período do ano passado, divulgou hoje o banco em comunicado.

Entre janeiro e junho, o produto bancário foi de 659,4 milhões de euros, menos 6,3% face a período homólogo, tendo as comissões líquidas descido 5% para 183,1 milhões de euros e a margem financeira caído 6,9% para 399,3 milhões de euros.

O banco detido pelo grupo espanhol Santander atribui a queda da margem financeira à "descida das taxas de juro do crédito, num contexto concorrencial ainda elevado e de diminuição da procura de crédito por empresas fora do âmbito das linhas com garantia do Estado", assim como à gestão da carteira de dívida pública.

Já a diminuição das comissões é justificada com os efeitos da atual crise pandémica, desde logo com a "redução das comissões sobre crédito e os impactos da suspensão de um conjunto de comissões, no âmbito das medidas de apoio às empresas e às famílias".

88 mil clientes com moratórias de crédito

O Santander Totta tinha 88 mil clientes com moratórias no pagamento de créditos no final de junho, abrangendo créditos correspondentes a 22% da carteira de crédito total, segundo a informação hoje divulgada pelo banco.

No final do semestre, as moratórias (legal e privada) tinham abrangido mais de 88 mil clientes correspondendo a um montante superior a 8,9 mil milhões de euros de crédito (cerca de 22% da carteira total)", lê-se nas contas do banco entre janeiro e junho, hoje divulgadas (lucros de 172,9 milhões de euros, menos 37,3% em termos homólogos).

Em junho, o Governo decidiu estender - de setembro deste ano para 31 de março de 2021 - as moratórias para créditos de empresas e particulares (que suspendem pagamentos de capital e/ou juros) e alargou também as condições em que os clientes podem aceder às moratórias. Os clientes podem pedir acesso às moratórias até final de setembro.

Na terça-feira, o banco BCP indicou que até junho aprovou mais de 120 mil moratórias de pagamento de créditos no âmbito da pandemia de Covid-19, sendo 97 mil para famílias e 26,5 mil para empresas, atingindo créditos no valor de quase nove mil milhões de euros.

Menos 167 trabalhadores e 25 agências num ano

O Santander Totta contava no final do primeiro semestre com menos 167 trabalhadores e 25 balcões relativamente ao mesmo período de 2019.

Quanto a agências, eram 491 em junho, menos 25 do que há um ano.

Já face a dezembro passado, o banco reduziu desde então o número de trabalhadores em 25 e o número de agências em 14.

No contexto da crise desencadeada pela Covid-19 e face à vontade manifestada de reduzirem custos, é provável que os bancos venham a promover mais saídas de trabalhadores nos próximos meses e em 2021.

/ Publicada por ALM