A H&M vai fechar 250 lojas da marca em todo o mundo, depois de a pandemia de covid-19 ter impulsionado um aumento das vendas online.

A cadeia sueca de vestuário e acessórios, que, globalmente, tem cerca de 5.000 lojas, anunciou que, no próximo ano, pretende apostar na oferta digital, afirmando que há cada vez mais clientes a comprar online.

Os clientes começaram a comprar online durante a pandemia e deixaram claro que valorizam uma experiência conveniente e inspiradora”, sublinhou a diretora da marca, Helena Helmersson, em comunicado.

A retalhista informou que pretende ainda investir nas cadeias de fornecedores e acelerar a entrega das encomendas online.

Ainda não se sabe que países vão ser afetados pelo encerramento de lojas.

Questionado pela TVI sobre um eventual fecho de lojas em Portugal, o grupo respondeu apenas que "é muito cedo para dar mais informação do que a que já foi partilhada no relatório financeiro dos primeiros nove meses do ano sobre este tema".

Em Portugal, o grupo detém 29 lojas e, no primeiro semestre de 2019/2020 [a H&M inicia o seu ano fiscal em dezembro e conclui o ano em novembro do ano seguinte], registou uma quebra de vendas de 41%. Entre dezembro de 2019 e maio de 2020, a empresa registou vendas de 369 milhões de coroas suecas (38,15 milhões de euros) em Portugal, o que compara com 622 milhões de coroas suecas um ano antes, no mesmo período.

Apesar da maior procura online, a H&M informou que, depois das quebras causadas pela pandemia, as vendas têm recuperado nos últimos meses e que, globalmente, em setembro, ficaram apenas 5% abaixo dos valores registados no mês mesmo do ano passado.

Sofia Santana / atualizada às 15:48