A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) avisa que as novas tabelas da ADSE - que reduzem significativamente os valores pagos aos prestadores que têm convenção com o sistema e reforçam o controlo das despesas - representam “perdas incomportáveis” para os privados e podem pôr em causa o acesso dos beneficiários aos cuidados de saúde, noticia o Público.

A preocupação consta de uma carta enviada no final da semana passada aos ministros das Finanças e da Saúde, depois de o Conselho Geral e de Supervisão (CGS) da ADSE ter dado luz verde à nova tabela que deverá entrar em vigor a 1 de março.

No sábado o Expresso adiantava que as unidades privadas de saúde enviaram uma carta ao Governo a ameaçar deixar de prestar cuidados aos beneficiários da ADSE.

O Público acrescenta que o teor dessa carta é muito semelhante ao de uma outra carta que já tinha sido enviada pela APHP a João Proença, presidente do CGS (que junta representantes dos beneficiários, dos sindicatos, das associações de reformados e do Governo), na tentativa de alertar este órgão para os prejuízos causados pelas novas tabelas.

Nessa carta a APHP alerta que a nova tabela fixa preços abaixo do custo, contempla normas ilegais e pode pôr em causa a atempada prestação de cuidados aos beneficiários. “As novas tabelas podem colocar em causa a qualidade e acesso dos serviços prestados aos beneficiários e traduzem-se em perdas incomportáveis para os prestadores privados”, nota a APHP. “Essa é uma linha que não podemos ultrapassar”, avisa.

/ ALM