O seu seguro automóvel cobre atos de vandalismo? Essa é a dúvida que deve esclarecer. A questão coloca-se depois dos diversos incidentes na área metropolitana de Lisboa desde segunda-feira à noite, com esquadras e carros atingidos por cocktails molotov.

É desolador chegar ao lugar onde deixou o carro estacionado e deparar-se com a destruição total ou parcial do mesmo. 

E agora, o que fazer? Tudo depende do contrato que tiver.

A TVI24 falou com a economista da Deco Proteste, Mónica Silva, para tentar esclarecer este tema.

O seguro simples, de responsabilidade civil – que por defeito tem também a assistência em viagem e a proteção jurídica – “não cobre atos de vandalismo.”

Um seguro de danos próprios, a que vulgarmente se chama de seguro contra todos os riscos, também não cobre todos os riscos. Cobre:

- choques, colisão ou capotamento

- incêndios/ raios/ explosões

- furtos ou roubos

Se quiser um conjunto de outras coberturas para outro tipo de fenómenos, como atos de vandalismo ou atos maliciosos ou riscos sociais e políticos – tudo nomes para designar o mesmo -  podem não estar contemplado só porque contratou um seguro de danos próprios. Mesmo nos seguros de danos próprios, habitualmente é uma cobertura opcional.

“Depende de cada seguradora, porque existem dos mais simples aos mais complexos e depois há sempre um seguro intermédio”, economista da Deco Proteste.

Se tiver a cobertura contra atos de vandalismo, o que cobre o seguro?

Tal como os outros seguros, cobre o valor que o carro tem no mercado e, vulgarmente há uma franquia que pode ir até aos 200 euros. Se, por hipótese, o carro está avaliado em cerca de 10.000 ou seguro pagará, por um ato de vandalismo, 9.800 retirada a franquia.

Quanto tempo demora a seguradora a pagar?

Pela lei são 30 dias úteis, desde que é feita a participação à seguradora [admite-se que pela exposição mediática de casos como o desta semana, onde é evidente o que aconteceu, se possa evitar, por exemplo, peritagens e acelerar mais o processo].

Posso utilizar o Fundo de Garantia Automóvel?

O Fundo de Garantia Automóvel só pode ser utilizado para danos materiais, se o responsável é conhecido, mas não tem seguro válido. Ou pode ser utilizado no caso de danos corporais seja o responsável conhecido ou não.

Nota: pela explicação da economista facilmente se percebe que, em caso de vandalismo, só depois de provado que há um responsável é que este estará civilmente obrigado a indemnizar os danos que causou. Ter-se-ia que apurar, neste caso, se o responsável teria bens para o fazer, e são processos que podem arrastar-se anos na justiça.

Não será abusivo dizer que, caso não tenha a cobertura opcional de vandalismo perde totalmente o valor do seu carro.

Alda Martins