[Actualizada com reacções às 14h03]

O director-geral do FMI, Dominique Strauss-Kahn, foi formalmente acusado de agressão sexual e de tentativa de violação, contra uma jovem empregada de um hotel, depois de ter sido detido no aeroporto de Nova Iorque.

O Fundo Monetário Internacional já veio dizer que mantém o seu pleno funcionamento depois do sucedido mas a detenção de Strauss-Kahn coloca numa situação «muito delicada» a instituição, que o pode dispensar por «violação grave» do código de conduta.

Strauss-Kahn, candidato socialista favorito nas sondagens para as presidenciais francesas, «foi acusado de agressão sexual e de tentativa de violação contra uma jovem mulher de 32 anos num quarto de hotel em Nova Iorque», adiantou o porta-voz da polícia de Harlem [norte de Manhattan], Ryan Sesa.

O incidente ocorreu durante esta madrugada no hotel Sofitel de Nova Iorque - perto de Times Square - de onde a jovem é empregada de limpeza, explica o «Irishtimes.com».

O jornal «The New York Times» diz que a polícia está a investigar uma «agressão sexual brutal».

Os jornais norte-americanos avançam que a mulher terá entrado no quarto de Strauss-Kahn, tendo este saído nu e tentado violar a jovem. «Ele tentou trancá-la dentro do quarto de hotel», disse uma fonte, mas a mulher conseguiu fugir e denunciar a situação. Strauss-Kahn seguiu, de imediato, para o aeroporto.

O director-geral do FMI foi preso 10 minutos antes da hora prevista para o avião descolar e transferido para as instalações de uma unidade especial da polícia em Manhattan.

A mulher, da qual não se sabe o nome, «foi trazida pelo EMS [serviços de emergência médica] para o Hospital Roosevelt, onde foi tratada por ferimentos ligeiros», adiantou ainda uma fonte ao «Irishtimes.com».

Strauss-Kahn está detido no comissariado de Harlem, para onde foi levado, esta madrugada, depois de ter sido detido no aeroporto John F. Kennedy, quando se preparava para partir para Paris.

Strauss-Kahn ia estar na reunião do Eurogrupo

O responsável deverá ser levado a tribunal ainda este domingo. O advogado de Strauss-Kahn, Benjamin Brafman, já veio dizer que o cliente vai declarar-se inocente das acusações.

Strauss-Kahn tem 62 anos e ia encontrar-se este domingo com a chanceler Angela Merkel, em Berlim. Na segunda-feira iria estar presente na reunião dos ministros das Finanças da Zona Euro, onde a ajuda a Portugal será aprovada.
Redação / CPS