O plano de reestruturação da TAP prevê o despedimento de 500 pilotos e a redução em 25% dos seus salários, segundo o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) após reunião com a administração.

Numa comunicação aos seus associados, a que a agência Lusa teve acesso neste sábado, a direção do SPAC diz que durante a reunião de sexta-feira com a administração da TAP foi apresentada a intenção de a empresa "reduzir vencimentos em 25% e de despedir 500 pilotos TAP".

Para 2021, segundo a mesma fonte, a administração pretende contratar 15 pilotos para a Portugália.

Questionados o PCA [presidente do conselho de administração] e o CEO [presidente executivo] sobre os fundamentos para tal anúncio, em especial os critérios para os despedimentos, a resposta não foi concretizada, com o argumento de que ainda é cedo para falar nisso”, lê-se no documento.

Quanto a reformas antecipadas e pré-reformas, refere o SPAC, foi dito pelos responsáveis “que até ao momento não há abertura do Governo para ponderar essa solução”.

Depois de muitas semanas em que manifestámos a nossa disponibilidade para colaborar na definição dos pressupostos técnicos, económicos e financeiros para as medidas de reestruturação, a resposta surpreendente veio sob a forma de uma percentagem de cortes nos vencimentos e de um número de pilotos da TAP a dispensar sem qualquer justificação ou critério”, lamenta a direção do sindicato.

A TAP integra atualmente um total de 1.468 pilotos.

Entendemos que este projeto de plano constitui uma flagrante violação dos princípios morais e éticos que devem nortear a atuação da administração e da gestão da TAP SA e enferma de graves ilegalidades face àquilo que a lei impõe como consulta aos representantes dos trabalhadores em situação de reestruturação”, sinaliza.

Sitava critica “forma irresponsável” como se fala de destruição de trabalho

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) criticou hoje a “forma irresponsável” como a administração e Comissão Executiva da TAP têm falado sobre despedimentos”.

Quanto aos números apresentados, e de que se fala abundantemente na comunicação social, são, quanto a nós, apenas números perfeitamente estapafúrdios, provocatórios e irrealistas”, considerou o Sitava, em comunicado.

O sindicato criticou também a “forma irresponsável como [CA e CE] falam da destruição de postos de trabalho”, que considera que, “a serem levados a sério”, conduziriam à destruição da empresa.

As ameaças de despedimentos, agora já não veladas, de que é ‘Bruxelas que manda’, além de ser uma irresponsabilidade, parece-nos mais uma desculpa para justificarem os ataques aos direitos dos trabalhadores e à contratação coletiva, do que outra coisa qualquer”, acrescentou.

O Sitava acusou ainda de estarem a proceder a “amputações” na atividade da companhia, “para justificar essa destruição”.

São exemplo disso os processos de ‘outsourcing’ em grande escala (informática e outros) em andamento e as já famosas alianças espúrias com as companhias aéreas do anterior acionista [David Neeleman] que estão e continuarão a contribuir para a nossa ruína”, apontou.

O Sitava diz ainda ter-lhe sido comunicado, na reunião de sexta-feira, que o mecanismo de apoio à retoma progressiva que estava em vigor na empresa, e ao abrigo do qual os trabalhadores estavam com horários e salários reduzidos, termina na próxima segunda-feira, dia 30, voltando os trabalhadores a exercer os seus horários completos.

“Pergunta-se: mas se eles nos dizem que querem reduzir os custos, porque diabo abdicam da ajuda do Estado à retoma?”, questionou o sindicato.

Propostas de rescisões avançam nas próximas semanas

A TAP vai propor aos trabalhadores um pacote de medidas voluntárias, que incluirá rescisões por mútuo acordo, licenças não remuneradas de longo prazo e trabalho a tempo parcial, além de cortes salariais transversais e despedimentos.

Numa comunicação aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, a administração refere que "quanto maior for a adesão, menor será a necessidade de outras medidas a decidir futuramente".

Veja também:

Além de medidas voluntárias que serão apresentadas "nas próximas semanas", o Conselho de Administração adianta que "estão colocados para discussão cenários como a suspensão do pagamento de alguns complementos remuneratórios, cortes salariais transversais, garantindo um valor mínimo que assegure a proteção aos salários mais baixos, e ainda a possibilidade de adequar o número de trabalhadores a uma operação que nos próximos anos será reduzida em 30% a 50%, retrocedendo assim a valores vividos há mais de uma década".

Só com o contributo de todos poderemos salvar a TAP e manter em atividade uma companhia cujos mais de 75 anos de história nos orgulham. Para assegurar uma TAP relevante no contexto do nosso país e no mundo, apta a voltar a contribuir para o desenvolvimento da economia portuguesa, temos muitos sacrifícios pela frente", lê-se na comunicação enviada na sexta-feira, após a reunião com os sindicatos representativos dos trabalhadores do grupo.

Ao mesmo tempo, refere, "tendo consciência de que a quebra de receitas ao longo dos próximos anos será colossal e estimada em vários milhares de milhões de euros", a TAP implementou "uma vigorosa redução de custos" junto de fornecedores e prestadores de serviços, "que permitirão à TAP ter benefícios financeiros de cerca de 1,5 mil milhões de euros até 2025".

Na nota aos trabalhadores, o presidente do Conselho de Administração, Miguel Frasquilho, e o presidente da Comissão Executiva, Ramiro Sequeira, sublinham que "a empresa precisa de um plano de reestruturação consistente, realista e sólido que assegure a sua sobrevivência" que "só terá êxito se tiver a adesão de todos".

De acordo com a nota, a reunião com os sindicatos serviu "para com eles acertar a versão final e proceder à sua entrega ao Governo, que o fará chegar à Comissão Europeia, com a qual será negociado".

Recordando que setor está a voar a cerca de 30% dos níveis de 2019 e a TAP não é exceção, a administração refere que "a TAP parte em desvantagem face às suas congéneres, em virtude de menores rácios de rentabilidade (margem EBIT), maiores custos unitários (ex- fuel CASK) e maior número de trabalhadores por aeronave".

Não nos resta, pois, outra alternativa que não a de implementar um plano de reestruturação que abranja um forte e transversal corte de custos e o possível, mas incerto, aumento de receitas, para evitar o fim da TAP", resume a administração.

No final de 2019, a TAP empregava cerca de 10.600 trabalhadores e pagava mais de 750 milhões de euros em salários.

O plano de reestruturação da TAP tem de ser apresentado à Comissão Europeia até 10 de dezembro, sendo uma exigência da Comissão Europeia pela concessão de um empréstimo do Estado de até 1.200 milhões de euros, para fazer face às dificuldades da companhia, decorrentes do impacto da pandemia de covid-19 no setor da aviação.

/ CM