A TAP SGPS, que detém todas as atividades do grupo, obteve um prejuízo de 27,7 milhões de euros em 2016, o que compara com perdas de 156 milhões no exercício anterior, segundo o Relatório e Contas.

Já antes de impostos, o resultado foi negativo em 28,3 milhões de euros, um desagravamento face aos 180,6 milhões negativos no ano anterior, enquanto a nível operacional [antes de gastos de financiamento e impostos], a empresa obteve um resultado positivo de 13 milhões de euros, o que compara com 117,3 milhões de euros negativos em 2015.

O resultado apresentado pelo grupo, embora ainda negativo, apresentou uma significativa melhoria, estando contudo largamente influenciado por uma conjuntura marcadamente desfavorável em alguns dos principais mercados da empresa no longo curso, tradicionalmente mais rentáveis", lê-se no Relatório e Contas.

 

Manutenção e Engenharia da TAP no Brasil também no vermelho

Também a TAP - Manutenção e Engenharia Brasil registou um prejuízo de 31,9 milhões de euros em 2016, face aos 40,2 milhões de euros negativos em 2015, sendo responsável por o grupo TAP continuar a registar perdas.

Segundo o Relatório e Contas da TAP SGPS, esta empresa "prosseguiu na consolidação dos seus resultados operacionais e económicos", referindo um crescimento das vendas relativamente a 2015 em cerca de 25%" e tendo, "pela primeira vez, sido ultrapassado o orçamento", mas o facto é que a ex-VEM continua sem conseguir o equilíbrio financeiro que a administração de Fernando Pinto esperava aquando a compra da empresa.

A TAP concluiu em 2015 o plano de reestruturação da manutenção no Brasil - iniciado em 2011 - mas nesse exercício a atividade voltou a agravar os prejuízos para 40,2 milhões, quase o dobro das perdas registadas um ano antes.