A crise gerada pela pandemia de covid-19 na aviação está a aprofundar as repercussões no pessoal de terra. Esta quinta-feira, a Groundforce informou que ia falhar no pagamento dos salários do mês de fevereiro.

Num e-mail a que a TVI24 teve acesso, o presidente do Conselho de Administração dá conta de que a empresa tem sobrevivido à crise de tesouraria com o auxílio da TAP, conseguindo cumprir as obrigações mínimas através de adiantamentos sobre os serviços prestados e a prestar no futuro.

No entanto, o presidente do Conselho de Administração da transportadora avançou que  não será possível conceder o auxílio que, segundo o e-mail, seria o último antes da contratualização do empréstimo bancário com garantia de Estado.

Estamos a viver tempos de enorme dificuldade, que se refletem fortemente no número de movimentos, no número de passageiros assistidos, na receita da empresa e também nos recebimentos”, salienta Alfredo Casemiro, destacando que a estrutura empresarial tem vindo a “trabalhar incansavelmente” desde março de 2020 com as entidades competentes.

Este trabalho, a que se refere o presidente do Conselho de Administração, culminou com uma reunião com o ministro das Infraestruturas e Habitação, no dia 22 de julho de 2020. Deste encontro, resultou o aval do Estado como garantia a um empréstimo bancário que permitirá conceder à tesouraria “os recursos básicos para ultrapassar estes tempos de dificuldade”.

Assim, e aqui chegados, sou obrigado a comunicar que não estamos em condições de garantir neste momento o pagamento dos salários de fevereiro sem que esteja concluído o processo do empréstimo bancário”, refere Alfredo Casemiro.

Ainda assim, o presidente do Conselho de Administração da Groundforce acredita que a situação seja resolvida e desbloqueada nos próximos 15 dias. “Só nessa altura teremos condições de efetuar o pagamento dos vencimentos do mês de fevereiro”.