A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação aumentou pelo quinto mês consecutivo, passando dos 1,066% em março para 1,073% em abril, revelam dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro subiu de 1,396% para 1,411% em abril.

Para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos subiu para 1,095%.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este destino de financiamento aumentou em abril para 1,405%.

Considerando a totalidade dos contratos, o valor médio da prestação vencida subiu um euro, para 246 euros, e deste valor, 47 euros (ou 19%) corresponderam ao pagamento de juros e 199 euros (81%) a capital amortizado.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, o valor médio da prestação subiu 12 euros, para 336 euros.

Em abril, o capital médio em dívida para a totalidade dos contratos subiu 77 euros face ao mês anterior, fixando-se nos 52.686 euros, enquanto para os contratos celebrados nos últimos três meses o montante médio do capital em dívida superou pela primeira vez os 100 mil euros, fixando-se em abril em 100.891 euros, mais 2.563 euros do que em março.