O Programa Nacional de Investimento 2030 (PNI 2030) – apresentado esta quinta-feira, em Lisboa, pelo Governo – prevê a criação de uma linha de alta velocidade que vai ligar Lisboa e Porto em 1 hora e 15 minutos. Trata-se do maior investimento deste programa. O custo previsto é de 4.500 milhões de euros e será financiado por fundos comunitários.

De acordo com o documento a que a TVI teve acesso, o objetivo passa por aumentar "a qualidade dos serviços de Longo Curso e libertar a capacidade na linha do Norte para o tráfego suburbano e de mercadorias".

A criação desta linha será faseada e obriga à intervenção em quatro troços:

  • Troço Cacia-Gaia: instalação de um novo canal de altas prestações em via dupla para permitir a segregação de tráfegos rápidos e lentos;
  • Troço Soure-Coimbra-Mealhada: construção de uma nova via dupla de altas prestações para permitir a segregação de tráfegos rápidos e lentos;
  • Troço Vale de Santarém – Entroncamento: construção da variante e aumento da velocidade máxima de circulação entre Santarém e Entroncamento;
  • Troço Alverca-Azambuja: construção de uma 3ª via reversível entre Alverca e Castanheira do Ribatejo e instalação de via quádrupla entre Castanheira do Ribatejo e Azambuja.

Toda a execução vai seguir um canal outrora delineado pela Rede Ferroviária de Alta Velocidade (RAVE) e vai cruzar a linha do Norte e obrigar à criação de túneis e viadutos. A ideia é que os comboios comecem a utilizar os troços da nova linha assim que estiverem construídos.

O projeto que vai implicar a elaboração de novas pontes: uma sobre o Douro e outra para assegurar a travessia do Tejo. Está previsto avançar no próximo ano e deverá estar concluído em 2030. 

Já em setembro, António Costa Silva, gestor e consultor do Governo, tinha garantido que existia um "consenso muito alargado" sobre a necessidade de se avançar com a linha de alta velocidade entre a capital e a cidade do Porto.

No caso das infraestruturas físicas, há um consenso muito alargado sobre a necessidade de o país fazer as infraestruturas de que necessita, nomeadamente a rede elétrica ferroviária nacional, a aposta na linha de alta velocidade lisboa-porto"sublinhou Costa Silva.

Porém, esta aposta do Governo não é novidade. Este tema já era discutido há muito tempo e prova disso é a capa do jornal Público desta quinta-feira, que é em tudo semelhante a uma outra de 6 de julho de 1999. Ora, há 20 anos.

Capa jornal Público - 6 de julho de 1999

Na altura, o projeto foi defendido pelo atual ministro a Defesa, João Gomes Cravinho, que assumia a pasta de ministro do Equipamento, Planeamento e Administração, no Governo socialista de António Guterres. 

Cláudia Évora