O número dá dimensão ao fosso entre desempregados e ofertas de emprego: por cada 100 inscritos nos centros de emprego, há apenas 12 ofertas de trabalho. E destes, apenas 7 acabam por arranjar colocação.

Em tempos de insegurança no emprego, os serviços de proteção e segurança são responsáveis pela maior parte das ofertas de emprego disponíveis. Dados do Ministério da Segurança Social mostram que foram colocados mais de 63 mil desempregados entre outubro do ano passado e outubro deste ano.

Destes, 28% foram colocados em empresas ligadas à área da segurança. Só nesta atividade, foram preenchidos quase 17.600 postos de trabalho entre janeiro e outubro.

Na lista de ofertas de emprego com mais saída seguem-se os trabalhadores não qualificados ligados à área da construção civil, das minas e da indústria. Atividades que, no seu conjunto, colocaram 10 mil desempregados inscritos nos centros de emprego.

Ainda assim, estes números estão longe de dar resposta ao universo de desempregados em Portugal, já que as 63 mil colocações comparam com os quase 700 mil inscritos nos centros de emprego até outubro.
Redação / Isabel Loução Santos, TVI