O transporte de milhares de animais vivos de Portugal para Israel, em março, não terá respeitado as normas comunitárias.

E a prová-lo estão as imagens de sofrimento de muitos animais, captadas por ativistas israelitas. 

O transporte foi feito a partir do Porto de Sines num navio que já tinha sido suspenso de operar em Portugal, o Aldelta, mas que voltou a ter autorização do Ministério da Agricultura.

A bordo seguiam 12 mil ovinos e quase 3.000 bovinos.

O desembarque foi um dos mais sangrentos de sempre.

Foram muitos os animais que chegaram feridos e, inclusive, mortos.

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, admite possíveis más práticas.

O navio Aldelta já tinha sido suspenso de operar em 2017 por falta de condições, mas regressou a Sines após levantamento da suspensão por parte da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

Amílcar Matos / CM