“Continuam a sair do Metropolitano profissionais necessários, com anos de formação e conhecimento da empresa e que deveriam constituir os próximos maquinistas do Metropolitano de Lisboa”, lê-se no comunicado.