A TAP confirma que "já cobrou 657 milhões de euros em bilhetes por voos que ainda não realizou", tal como noticiou o Expresso, o que, diz a transportadora, "é uma notícia positiva, pois significa que a TAP aumentou o seu volume de vendas para os voos que tinha e tem programados".

Em comunicado, a TAP recorda que "como qualquer outra companhia aérea, vende antecipadamente os bilhetes para os seus voos. A cobrança dos bilhetes não é realizada a bordo, nem após a prestação do serviço, mas sim antes do voo se realizar, como é prática de toda a indústria mundial".

O semanário sublinhava na sua notícia que parte destes 657 milhões de euros dizem respeito de facto a voos que ainda vão ser realizados mas uma parte significativa corresponde a voos e a bilhetes que foram cancelados por causa da pandemia de covid-19 e, que portanto, terão de ser reembolsados.

No que diz especificamente respeito a voos cancelados e pedidos de reembolso, a TAP já processou, ao dia de hoje, 98% dos pedidos de reembolso efetuados a nível global desde o início da pandemia (fixando-se para esse efeito a data de 1 de março de 2020), no valor de 668 ME", esclarece a empresa no comunicado.

Em números absolutos, a TAP recebeu 2,284 milhões de pedidos de reembolso, dos quais segundo a companhia se encontram pendentes apenas 46 mil, "evidenciando o esforço e empenho da TAP na resolução rápida deste desafio".

Redação / MJC