Os indicadores de confiança dos consumidores e de clima económico “recuperaram parcialmente” em maio, após terem registado “fortes reduções em abril” devido à pandemia de covid-19, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Em maio, o indicador de confiança dos consumidores recuperou parcialmente, registando o maior aumento da série, após ter apresentado em abril a maior redução face ao mês anterior e o valor mínimo desde maio de 2013. O indicador de clima económico apresentou um ligeiro aumento em maio após ter atingido o valor mínimo da série no mês anterior”, apontam os “Inquéritos de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores” do INE.

No mês em análise, os indicadores de confiança aumentaram “de forma moderada” na construção e obras públicas e no comércio e diminuíram novamente na indústria transformadora e nos serviços, “prolongando as quedas abruptas registadas em abril e atingindo novos mínimos”.

Já nos serviços, o INE destaca as secções de alojamento, restauração e similares e de atividades artísticas, de espetáculo, desportivas e recreativas, que apresentaram os valores mais baixos dos respetivos indicadores de confiança.

Sentimento económico recupera na zona euro

O sentimento económico mostrou, em maio, os primeiros sinais de recuperação das consequências económicas da crise da Covid-19 na zona euro e União Europeia (UE), depois de dois meses de quebras recorde, segundo a Comissão Europeia.

Segundo dados hoje divulgados pela Direção-geral dos Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, o sentimento económico avançou quer na zona euro (2,6 pontos para os 67,5), quer na UE (2,9 pontos, para os 66,7).

/ (Atualizada às 11:05) Publicada por ALM