A Alemanha retirou Portugal da lista vermelha de restrições aéreas, devido à propagação da variante Delta do SARS-CoV-2, anunciaram as autoridades alemãs, nesta segunda-feira.

Portugal estava na "lista vermelha" desde 29 de junho depois de as autoridades alemãs considerarem o nosso país uma "zona de variantes do vírus".

A decisão fez com que muitos turistas alemães e emigrantes portugueses cancelassem as férias em Portugal, devido à obrigatoriedade de cumprimento de uma quarentena de 14 dias à chegada.

A partir de agora, os viajantes provenientes de Portugal não são obrigados a fazer quarentena se conseguirem provar que já estão totalmente vacinados, ou que contraíram a doença e já recuperaram. Os restantes podem ter uma quarentena reduzida de dez dias se testarem negativo após cinco dias.

A medida, que tinha sido anunciada pelo Instituto Robert Koch (RKI), a autoridade de saúde da Alemanha, foi anunciada depois de a chanceler alemã, Angela Merkel, ter criticado a falta de regras comuns na União Europeia relativamente às viagens, utilizando como exemplo o aumento de infeções em Portugal, uma situação que “podia ter sido evitada”.

A interdição da Alemanha a viagens não essenciais para Portugal integrava-se no “travão de emergência” previsto na decisão do Conselho da União Europeia (UE) sobre turismo no âmbito da covid-19.

Bruxelas defendeu, porém, que a Alemanha não devia ter colocado Portugal na lista vermelha de restrições aéreas, considerando que Berlim não estava em linha com as recomendações da União Europeia para as viagens no verão.

Veja também:

Catarina Machado