Está marcado para quinta-feira da próxima semana, dia 11 de março, o próximo voo de repatriamento do Brasil para Portugal, após autorização do Governo e das autoridades competentes em matéria de aviação civil. O voo vai ser operado pela TAP, com partida de São Paulo (Aeroporto Internacional de Guarulhos) e destino Lisboa. 

Em comunicado, o Consulado Geral de Portugal em Sãu Paulo esclarece que "este voo terá lugar em condições inteiramente idênticas às do voo operado no passado dia 27 de fevereiro"

Recorde-se que, dada a situação epidemiológica a nível mundial, os voos de e para o Reino Unido e Brasil estão proibidos. Fora da suspensão estão, obviamente, os voos de natureza humanitária para efeito de repatriamento dos cidadãos nacionais e membros das respetivas famílias, bem como de titulares de autorização de residência em Portugal.

Para utilizarem este voo serão contactados pela TAP os passageiros que, sendo portugueses ou cidadãos estrangeiros residentes em Portugal, foram afetados pela suspensão dos voos e manifestaram, junto dos postos consulares portugueses no Brasil, a necessidade de regresso imediato a território nacional, por razões humanitárias.

O contacto preferencial será por via telefónica, mediante os dados fornecidos aos postos consulares. Agradecemos que não sejam feitas tentativas de contacto direto com a TAP, que em nada ajudarão, pelo contrário, a uma maior celeridade do processo." refere o comunicado. 

Segundo a legislação em vigor, (Despacho n.º 1689-C/2021, de 12 de fevereiro), os passageiros deste voo humanitário têm de:

  • Apresentar comprovativo de realização de teste laboratorial (RT-PCR) para rastreio da infeção por SARS-CoV-2, com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores ao momento do embarque, com exceção das crianças que não tenham completado 24 meses de idade;
  • Cumprir, após a entrada em território nacional, um período de isolamento profilático de 14 dias, no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde portuguesas.

No último domingo, dia 7 de março, chegou a Lisboa um voo de repatriamento com 300 portugueses e lusobrasileiros vindos de São Paulo, no Brasil. Os passageiros estavam aliviados, mas também indignados pelos 850 euros que tiveram de pagar pela viagem

Cláudia Évora