As tradições africanas, «discutíveis» à luz dos princípios da fé católica, são apontadas pelo cardeal D. José Saraiva Martins como um dos problemas que a Igreja enfrenta em Angola, país que o Papa Bento XVI visita a partir de sexta-feira, escreve a Lusa.

Aludindo às tradições professadas em Angola por outras religiões, D. Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, frisou que, do ponto de vista da Igreja católica, a questão é um «problema pastoral que tem de ser examinado e resolvido pelos pastores angolanos», disse.

«Certas tradições africanas, muitas vezes, são um bocadinho discutíveis à luz dos princípios da Igreja e da fé, certas tradições que talvez não sejam muito coerentes com a fé católica», manifestou.

No entanto, notou, a situação não é exclusiva daquele país, mas comum a outros países africanos: «A Igreja de Angola tem os mesmos problemas que têm as igrejas dos outros países [africanos], problemas específicos que não temos na Europa. Têm de ser resolvidos no local, tendo em conta a cultura africana», disse D. Saraiva Martins.

Já no campo social, D. José Saraiva Martins, apontou a pobreza em Angola como uma das questões que mais preocupa a Igreja, por ser um entrave à paz.

«Sabemos muito bem que onde houver pobreza não pode haver paz. A pobreza é sempre uma ameaça à paz, costuma ser a pobreza a causar os grandes conflitos armados, em África», sublinhou.

O cardeal Saraiva Martins, que reside em Roma há mais de 50 anos, disse ainda que a visita de Bento XVI a Angola, de 20 a 23 de Março, incluída no programa da primeira viagem do Papa a África, ocorre numa altura em que se celebram os 500 anos da evangelização daquele país, «feita por portugueses».

O Papa Bento XVI visitará os Camarões e Angola entre 17 e 23 de Março e a viagem será limitada às capitais dos dois Estados africanos: Yaoundé de 17 a 20 de Março e Luanda entre os dias 20 e 23.