Jerónimo de Sousa criticou este sábado José Sócrates por só agora - depois de rejeitar a proposta do PCP de tributação das grandes fortunas e quando o país já está numa «regressão acentuada» - se mostrar disponível para «tirar aos ricos para dar aos pobres», noticia a Lusa.

A afirmação verificou-se no comício realizado hoje em Lourosa, concelho de Santa Maria da Feira, onde o secretário-geral do PCP comentou a queda de 2 por cento que a economia nacional registou no último trimestre de 2008 face aos três meses anteriores.

Nos outros países da Zona Euro, o recuo no Produto Interno Bruto foi de apenas 1,5 por cento e só a Alemanha registou uma queda superior à portuguesa, atingindo os 2,1 por cento.

Para Jerónimo de Sousa, esses dados, revelados sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística, mostram que, «após anos de crescimento mirrado», o desenvolvimento económico do país, em 2008, «foi nulo».

Isso faz de Portugal «um dos países mais penalizados por toda a crise» e, a nível interno, implica que «o plano macroeconómico [do Governo] para 2009 já está posto em causa».

«Enquanto a crise avançava», explica o líder do PCP, «o Governo andou a anunciar com prosápia desmedida a sua visão de um país de sucesso, escondendo os resultados reais de quatro anos de governação».

Agora, que «até o troféu do abaixamento de deficit já perdeu», «José Sócrates prepara-se para vestir o fato de Robin dos Bosque - anunciou que vai tirar aos ricos para dar aos pobres». Para o líder dos comunistas, «é pena [o primeiro-Ministro] só se ter lembrado disso agora».
Redação / CLC