O risco de perder dados fiscais é pequeno em Portugal, no entanto, «não quer dizer que não possa acontecer», alerta o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, João Amaral Tomaz, na 3ª conferência anual da Ordem dos Economistas.

O governo reconhece, todavia, que «o que pode acontecer é a perda parcial de informação» devido a algum problema do disco mas, no entender do mesmo, é uma situação que poderá ser resolvida através de «back up».

Recorde-se que foi revelado ontem que a administração fiscal inglesa perdeu todos os dados fiscais de quase metade da população, ou seja, de mais de 25 milhões de contribuintes.

«A informação perdida contém detalhes sobre todos os beneficiários do abono de família, registos de 25 milhões de cidadãos e de 7,25 milhões de famílias. Estes registos incluem os beneficiários e os nomes dos seus filhos, moradas e datas de nascimento, inclui os números do abono de família, números de contribuinte e, mais importante, detalhes sobre contas bancárias e cooperativas de habitação», referiu o ministro Alistair Darling.

Tanto que as instituições bancárias estão em alerta e pediram a todas as famílias para consultar repetidamente os saldos bancários para ver se algo de estranho aconteceu.

«O grande problema é que não se sabe para onde foi parar essa informação e há risco para que os dados sejam utilizados para outros fins», alerta João Amaral Tomaz em relação ao que se passou no Reino Unido, acrescentando ainda que «perante o que aconteceu é necessário reforçar a segurança».