Cristiano Ronaldo disse em 2010 que os golos são como o ketchup, já que só custa marcar o primeiro, ou abrir o frasco.

Pois bem, esta tarde, a Espanha abriu o frasco no Estádio La Cartuja, em Sevilha, e o ketchup só parou de cair ao quinto golo.

A seleção espanhola venceu a Eslováquia (5-0), em jogo da terceira e última jornada do grupo E do Euro 2020, e garantiu o apuramento para os oitavos de final.

Recuperado da covid-19, Sergio Busquets saltou diretamente para o onze espanhol: e a música da orquestra de Luis Enrique foi outra.

Mas antes, o típico sofrimento da la roja neste Europeu: a equipa da casa acercou-se da baliza eslovaca desde cedo, mas os primeiros 30 minutos foram de desperdício, mesmo da marca dos onze metros, onde Morata – que momento complicado vive o avançado da Juventus – permitiu a defesa de Dubravka depois de um penálti conquistado por Koke.

De herói a réu, o guarda-redes da Eslováquia «ofereceu» o golo inaugural à Espanha no lance mais bizarro do Euro até ao momento, ao empurrar para a baliza um remate de Sarabia que bateu com estrondo na trave. É caso para dizer que Dubravka abriu o frasco.

E a partir daí, foi um festival espanhol.

Busquets, lá está, orquestrava a música com a qualidade do costume, Alba dava a profundidade de sempre no lado esquerdo e Pedro desequilibrava no último terço como poucos o fazem.

E os golos foram surgindo.

Laporte fez o 2-0 em cima do intervalo, ele que se estreou assim a marcar pela seleção espanhola. Sarabia fez o 3-0 aos 56 minutos depois de uma grande jogada coletiva e assistiu Ferran Torres – acabadinho de entrar – para o quarto aos 67m. Pedri, claro, foi o nome comum a esses dois golos, com dois grandes passes.

E até Kucka quis juntar-se à festa e fez o 5-0 com um autogolo à entrada para os últimos 20 minutos: Dubravka já não estava sozinho.

A Espanha (finalmente) venceu e convenceu, na tarde em que o frasco de ketchup se abriu, e segue para os oitavos de final do Euro 2020: à sua espera tem a Croácia, em Copenhaga, na próxima segunda-feira. A Eslováquia segue para casa.

Rafael Vaz