Não é o «The Grand Budapest Hotel», da comédia dramática de Wes Anderson (2014), galardoada nos Oscars e nos Globos de Ouro, mas também tem o seu charme.

Ainda assim, o belo edifício que se ergue no meio do Danúbio fica, de facto, em Budapeste e tem a entrada encimada pelas palavras «Grand Hotel».

A entrada do «Grand Hotel», onde a Seleção vai instalar-se a partir desta quinta-feira

Basta, porém, reparar no pórtico com as cores de Portugal e o lema «Vamos todos. Vamos com tudo», para perceber que aqui o protagonista é Cristiano Ronaldo e não Ralph Fiennes; e que o assunto é mais futebol do que cinema.

É na ilha Margarida, uma porção de terra com o tamanho de 250 campos de futebol com vista para as margens de Buda e Peste, que fica o quartel-general à Seleção Nacional na primeira fase do Euro 2020.

O Ensana Grand Margitsziget Health Spa Hotel, de quatro estrelas, apresenta-se como um oásis no meio da cidade e, depois de em março último ter recebido a seleção sub-21 francesa, está agora ao serviço exclusivo dos campeões da Europa.

Edifício centenário tem localização privilegiada junto ao Danúbio

Este palacete decorado ao estilo imperial tornar-se-á numa casa portuguesa a partir desta quinta-feira (10), Dia de Portugal, quando a equipa das quinas assentar arraiais em Budapeste, onde irá estrear-se frente à seleção anfitriã (15) e defrontar a campeã do mundo França (23) – com uma incursão pelo meio a Munique, para o jogo com a Alemanha (19).

Construído em 1872, cinco anos depois de na ilha Margarida (Margitsziget) ter sido descoberta a 1200 metros de profundidade uma fonte água com 70 graus, este edifício ao melhor estilo da neorrenascença foi projetado para receber os ilustres visitantes das então famosas termas pelo arquiteto húngaro Miklós Ybl, o mesmo que desenhou dois monumentos icónicos da cidade: a Basílica de Santo Estêvão e a Ópera Estatal.

Apesar de centenário, este hotel tem as mais modernas instalações para que Ronaldo, Pepe, Bruno Fernandes, Bernardo Silva e companhia possam descansar e recuperar entre treinos e jogos.

A piscina interior, onde os craques poderão relaxar durante a competição

Piscina interior e exterior, spa, ginásio, o restaurante Széchenyi, com acesso à esplanada, salas de reunião e de convívio, além de 164 quartos decorados com mobiliário clássico com vista para o gigantesco e verdejante parque envolvente fazem o conforto deste retiro no meio da grande urbe.

Uma localização tranquila, mas central, que está a cerca de seis quilómetros, sensivelmente um quarto de hora, da impressionante Puskás Aréna, onde Portugal disputa dois dos três jogos da fase de grupos deste Campeonato da Europa, e a meia hora do aeroporto.

Hotel da Seleção fica a cerca de um quarto de hora da Aréna Puskás

Mais próximo fica o estádio Illovszky Rudolf, casa do histórico clube Vasas SC, que será o centro de treinos de Portugal. Dista apenas 3,5 quilómetros, o que equivale a cerca de dez minutos de autocarro.

Se o hotel é histórico, o campo é novo. Um recinto de cinco mil lugares, com um excelente relvado, que já está decorado com as cores de Portugal no seu interior, pelo que foi possível vislumbrar.

Dez minutos separam o Estádio Illovszky Rudolf, centro de estágios da Seleção, do hotel

Para já, portas fechadas, mas tudo a postos para receber a Seleção Nacional, que chega esta quinta-feira ao final da tarde e tem a primeira sessão de treino marcada já para o dia seguinte.

Sérgio Pires / Enviado especial do Maisfutebol ao Euro 2020