A ausência da ministra espanhola do Fomento, Magdalena Álvarez na cimeira de Évora indica que o assunto deverá este ano ser discutido apenas pelos secretários de Estado que tutelam os transportes nos dois países.

As ligações entre Porto e Lisboa e entre Lisboa e Madrid passaram a ser prioridades para o Governo liderado por José Sócrates, relegando para segundo plano a linha que deverá ligar o Porto a Vigo, na Galiza.

O executivo português está a reavaliar a sustentabilidade desta ligação, que segundo o plano inicial era a primeira a avançar, podendo acabar por ser construída apenas para velocidades mais baixas.

Mário Lino ignora assim o pedido da homóloga espanhola, que na reunião que decorreu em Lisboa, em Maio deste ano, pediu a Portugal um impulso da linha dado o alto nível de execução em que se encontra a linha em Espanha.

Segundo a secretária de Estado dos Transportes, «as datas acordadas em anteriores cimeiras revelam-se irrealistas e fisicamente inexequíveis, atendendo ao ponto de situação do empreendimento e à data de tomada de posse deste Governo».

O primeiro-ministro também já admitiu prazos mais dilatados para o projecto, embora tenha garantido o empenho na construção das ligações previstas.

O projecto volta assim à estaca zero, no que diz respeito a prazos de execução, devendo ocupar grande parte das discussões entre os governantes na Cimeira Ibérica de Évora.

O traçado da linha de alta velocidade foi acordado entre Portugal e Espanha, em 2003, na Cimeira Ibérica, que decorreu na Figueira da Foz.

Portugal apresentou, na altura, quatro ligações a Espanha, Porto-Vigo, Lisboa-Madrid e Aveiro-Salamanca, uma linha entre Lisboa e Porto e uma linha entre Évora e Faro, a última a avançar e a depender de estudos.

No total, estimava-se que o projecto custaria 12,5 mil milhões de euros, com o Orçamento do Estado a financiar entre 10 e 20 por cento, os fundos de coesão entre 30 e 40 por cento e entre 15 a 20 por cento pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

A Linha Porto-Vigo seria a primeira a ficar pronta, em 2009, custando 1,367 mil milhões de euros.

A ligação Lisboa a Madrid, em duas horas e quarenta e cinco minutos, tinha um custo 1,774 mil milhões de euros e deveria estar pronta em 2010, servindo as cidades de Lisboa e Évora.

A ligação Aveiro a Salamanca custaria 2,177 mil milhões de euros e estaria pronto em 2015, servindo os portos de Leixões e Aveiro, privilegiando o norte de Portugal como uma rota de mercadorias, além de passageiros e as cidades de Aveiro e Viseu.

A ligação Faro a Huelva em meia hora custaria 2,61 mil milhões de euros e seria a última a estar pronta, em 2018, servindo a região turística do Algarve e os aeroportos internacionais de Faro e Beja.

A ligação entre Lisboa e Porto, em menos de uma hora, custaria 4,2 mil milhões de euros e estará pronta em 2013, servindo as cidades Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria/Fátima e Lisboa.

Durante o governo de Santana Lopes, António Mexia, que assumiu a pasta dos Transportes, decidiu mexer no traçado desta última ligação, ao usar a linha convencional em alguns troços para reduzir os custos e acelerar a construção.

Este Governo assumiu deste início que iria reavaliar as opções do executivo anterior, criando uma comissão de especialistas para estudar as ligações entre Lisboa e Porto e Lisboa e Madrid.
Redação / Lusa/BP