Um grupo de trabalho, constituído junto do Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, está ainda a estudar qual a melhor forma de concretizar o negócio e uma das hipóteses sobre a mesa, em alternativa à compra, é uma das hipóteses sobre a mesa, em alternativa à compra, é uma fusão entre as duas companhias, avança o Semanário Económico.

Por outras palavras, e uma vez que a TAP, apesar dos bons resultados que tem vindo a registar, não tem ainda uma saúde financeira que lhe permita lançar-se em investimentos vultuosos, o Governo está a estudar, em conjunto com o GES, a entrada deste grupo financeiro no capital da TAP.

Segundo apurou o semanário, o gabinete de António Mexia entende que nada obsta a que o Governo, mesmo em gestão possa avançar com o negócio.

O estudo do modelo a adoptar ficará concluído durante a próxima semana, sendo depois agendado para discussão em Conselho de Ministros, logo que Estado (accionista da TAP) e GES cheguem a acordo sobre algumas arestas ainda por limar.
Redação / SE/SP