Segundo declarações do ministro, citadas pela «Lusa», antes de entrar para uma reunião em Bruxelas dos responsáveis das Finanças da Zona Euro, a evolução favorável no ano passado tem a ver com a estratégia adoptada pelo Governo de «rigor e contenção» assim como de combate à fraude e invasão fiscal em Portugal.

Teixeira dos Santos mostrou-se «esperançado e optimista» na possibilidade de o país conseguir cumprir o défice orçamental para 2005 de 6% do PIB comunicado a Bruxelas, mas pediu para se aguardar mais duas semanas, o tempo de os outros subsectores também apresentarem as suas contas.

O saldo final das finanças públicas é obtido considerando os saldos dos quatro subsectores em que se dividem as Administrações Públicas: Estado, Fundos e Serviços Autónomos, Administração Regional e Local e, ainda, Segurança Social.

A receita total no subsector do Estado, de que o Governo é responsável directo, era estimada inicialmente em 32.645 milhões de euros e acabou por ser de 32.982,1 milhões, enquanto que a despesa total estimada era de 42.548,9 e a execução foi de 42.079,4.

O défice orçamental estimado para o subsector do Estado estimado para 2005 era de 9.903,9 milhões de euros tendo a sua execução mostrado que ele foi apenas de 9.097,3 milhões informou, ontem, a Direcção-geral do Orçamento (DGO).

O ministro das Finanças considerou que estes números são «boas notícia».
Redação / Lusa/MF