o objectivo É apoiar os candidatos às licenças no concurso público recentemente lançado pelo Governo.

Este novo centro vai ser constituído por uma equipa de consultores portugueses e é apoiado pela experiência da Indra na implementação de projectos TDT em diversos mercados internacionais, nomeadamente no mercado espanhol, sustentada por uma oferta de serviços integrados de consultoria e de tecnologia diferenciadora, refere a empresa em comunicado.

«A Indra está presente no sector da Televisão Digital há mais de 8 anos e graças ao seu ¿mix¿ de negócio tornou-se um fornecedor único de serviços de consultoria que abrange todo o ciclo de negócio do operador, cobrindo desde a infra-estrutura tecnológica e sistemas de negócio e suporte ao negócio, até projectos relacionados com processos, estratégia, e organização e RH» afirma Jorge Galhardo Antunes, Director da Indra em Portugal.

A Televisão Digital Terrestre (TDT) faz a difusão dos sinais de televisão que, graças à tecnologia digital, permite uma optimização da utilização do espectro radioeléctrico. O sinal de TV digital é baseado na norma DVB-T por via hertziana, com qualidade de som e imagem superior ao analógico. São várias as vantagens deste novo conceito de televisão nomeadamente, melhor qualidade de recepção de imagem e som (SD / HD), deixa de existir a névoa, as sombras e a dupla imagem, as emissões são com som surround 5.1 Dolby AC-, permite subtítulos em múltiplos idiomas, entre outras.

Para Jorge Galhardo Antunes, «a TDT começa a ser cada vez mais falada em Portugal e é uma realidade que a curto prazo será implementada. Como tal, fazia todo o sentido aproveitar o know-how e competências que temos nesta área e trazê-lo para o nosso mercado. Uma das áreas onde acreditamos ser especialmente diferenciadores é na capacidade de criar modelos de negócio associados a TDT que são efectivamente rentáveis», conclui.
Redação / CPS