João Pedro Sousa, treinador do Famalicão, depois do empate diante do Marítimo (3-3), no Estádio dos Barreiros, em jogo da 34.ª e última jornada da Liga. Um empate que afastou a equipa de Vila Nova de Famalicão fora da Europa.

[Análise ao jogo]

- Primeiro tenho e dar os parabéns aos jogadores do Famalicão pelo jogo, mas, essencialmente, pela época que fizeram. Dar os parabéns ao clube pela época que fez, pelo projeto que tem. Projeto único e inovador em Portugal, de homens de coragem para gente de coragem.

- Infelizmente, o jogo de hoje foi muito ingrato, principalmente para os jogadores, que não mereciam este resultado. Isto não mexe em nada do que foi a nossa época, do brilhantismo que puseram dentro do campo todos os dias. Eles mereciam fazer história em cima da história. Estou muito triste por eles, pelos nossos adeptos, pela nossa cidade. 

- Acho que não fomos suficientemente fortes para um lançamento lateral, um livre que bate na barreira e entra, outra bola parada no segundo golo. Infelizmente, o futebol é assim. Hoje, tenho a certeza de que tenho jogadores ainda melhores dentro do balneário.

[Faltou sorte?]

- Eu nunca utilizei esta palavra, mas, hoje, confesso que faltou um bocadinho de felicidade neste jogo. Penso que fomos superiores no jogo, mas não fomos no resultado. Tentámos jogar com as nossas armas até ao fim, mas tivemos também um adversário forte.

- Estávamos nos últimos lances do encontro. Claro que, como treinador, tenho que salvaguardar todas as situações. Ajustámos tudo outra vez, as posições alteraram-se, no momento em que fizemos o golo que nos daria a vitória, mas nem sequer tivemos tempo para respirar um bocadinho e para gerir o jogo.

Raul Caires / Estádio dos Barreiros