As deslocações do FC Porto à Madeira são, tradicionalmente, complicadas. Ou eram, antes da chegada de Sérgio Conceição ao comando técnico do clube. Na véspera da deslocação aos Barreiros, para defrontar o Marítimo, o treinador dos dragões frisou que esse passa ao lado dos jogadores na preparação para o jogo.

«Acham que o Evanilson, o Taremi, o Francisco ou o Felipe Anderson vão pesquisar os resultados na Madeira nos últimos anos? Essas estatísticas são isso mesmo, estatísticas. Cada jogo tem a sua vida e a sua história. Não ligo a nada disso e acho que os jogadores depois do treino agarram-se ao Fortnite e à PlayStation e não vão ver as estatísticas. Se calhar o Sérgio Oliveira e o Pepe, que têm uma ligação diferente ao clube, poderão saber, mas há outros... Não faz parte do nosso trabalho. A preparação do jogo não tem nada a ver com estatísticas, mas com o que vamos encontrar e com o que somos como equipa», referiu, em conferência de imprensa.

Apesar de desvalorizar os dados estatísticos, o técnico dos campeões nacionais lembrou o quão difícil é jogar na casa do Marítimo.

«Todos os jogos são difíceis, especialmente contra equipas que necessitam de pontos e que estão em fases complicadas. Historicamente sabemos o quão difícil é ir à Madeira e jogar contra o Marítimo. Estamos alertados para as dificuldades da equipa adversário e para um terreno que não é dos melhores. Temos de ultrapassar essas dificuldades e vencer um jogo que é decisivo», considerou.

Conceição recusou voltar a falar sobre os jogos contra Boavista e Juventus, apontando a atenção para o jogo frente aos insulares.

«Essas questões fazem parte do passado. Não quero fugir a nenhuma pergunta, mas temos de fazer a antevisão ao jogo com o Marítimo. O Marítimo está numa posição que não corresponde à qualidade do seu grupo. O mais importante para mim é olhar para os pontos fortes e para as fragilidades do adversário para pensar na melhor equipa para ganhar», atirou. 

O Marítimo-FC Porto joga-se esta segunda-feira, às 19h30.