Sergio Conceição, treinador do FC Porto, falou aos jornalistas sobre o enfarte de miocárdio que Casillas sofreu no treino de quarta-feira, e disse que não se aprecebeu de imediato da gravidade da situação.

«No momento, devo confessar que não achámos que fosse algo muito grave, apenas uma indisposição como algumas vezes acontece», disse o treinador na conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Desp. Aves.

«Estávamos no meio de um exercício em que estavam dois guarda-redes a trabalhar e o Iker estava a fazer outro tipo de trabalho. Quando percebi que ele estava com algum tipo de dificuldade, já o fisioterapeuta tinha chamado os colegas e o médico para perceber melhor a situação», continuou Sérgio Conceição.

Apesar de não saberem a gravidade, nos 15/20 minutos de treino que se seguiram os companheiros já não estavam «tão focados» por causa do sucedido. Mas só no final se inteiraram da gravidade da situação.

«O plantel ficou chocado com a situação», garantiu Conceição, dizendo que é «um grupo muito solidário, com espírito muito forte» e que «a equipa obviamente sentiu isto como se fosse cada um deles a passar por isso».

«Ficámos apreensivos, mas felizmente que o Iker está bem e a equipa está com ele e extremamente unida a ele e à sua família. O futebol faz parte da vida, mas a vida em si é mais importante do que tudo o resto», frisou o treinador.

«Agora temos é que o ajudar com a recuperação», disse ainda.

E, questionado sobre se a situação de Casillas pode funcionar como fator de união na equipa, Sérgio Conceição afirmou: «Nós não precisamos de situações destas para unir o grupo».

Não querendo entrar no âmbito das informações médicas, o treinador adiantou, contudo, que «a evolução é boa e Iker Casillas está bem».

Vítor Maia / Olival, Vila Nova de Gaia