De acordo com a declaração de rendimentos que entregou no Tribunal Constitucional e que o Jornal de Noticias, consultou, o ministro prepara-se para fazer o mesmo em 2004, ano em que, pela última vez, poderão ser deduzidos no IRS os benefícios resultantes da subscrição ou reforço daqueles dois últimos produtos, conforme as novas regras que estão a ser definidas nesta matéria.

Nos documentos depositados no Tribunal Constitucional, Bagão Félix declarou que, em 2002, possuía uma CPH com um capital de 2504 euros, montante que foi reforçado para 4872,70 euros em 2003. Na nova declaração que entregou também este ano, mas já depois de ter tomado posse como ministro das Finanças, aquela conta totalizava 7266,81 euros.
Redação