Luís Campos e Cunha, antigo ministro das Finanças do Governo de José Sócrates, diz que o actual Executivo deixou de lado o objectivo da consolidação das contas públicas, não só por causa da crise mas também por motivos eleitoralistas.

«O objectivo da consolidação das contas públicas, ter a casa arrumada, ter um país apresentável para os investidores estrangeiros¿ todo esse discurso desapareceu de um dia para o outro. O que é em parte consequência da crise, mas é também um certo aproveitamento da crise, por motivos eleitorais», disse Campos e Cunha, no programa «Cartas na Mesa», do TVI24.

Na mesma entrevista a Constança Cunha e Sá, Campos e Cunha afirma ainda que o défice deste ano vai ser superior a cinco por cento do Produto Interno Bruto.