Terá sido naquela que é conhecida como a "Ilha das Orgias", ou "ilha dos pedófilos", que Jeffrey Epstein abusou de menores e liderou uma rede de tráfico humano. O multimilionário, que entretanto se suicidou na prisão, levava adolescentes do sexo feminino para as festas que dava na sua ilha privada, Little St. James, nas Ilhas Virgens Americanas. Os funcionários que mantinha na ilha admitem que os abusos eram conhecidos e comentados, mas fechavam os olhos devido aos pagamentos generosos que o magnata lhe garantia.