Vários residentes, incluindo cidadãos portugueses, já tiveram de abandonar as suas casas, apesar de a circulação na capital timorense estar muito limitada, devido ao largo volume de água que se acumula.